27/09/2020 às 02:42

ONDE ESTÃO AS MINAS NOS BASTIDORES DAS CAMPANHAS?

107
3min de leitura

ONDE ESTÃO AS MINAS NOS BASTIDORES DAS CAMPANHAS?

Tenho feito essa pergunta constantemente e, ao conversar com alguns colegas de trabalho, confirmei o que já presumia: é possível contar nos dedos de uma mão a presença das mulheres nos backstages, seja de uma campanha, uma gravação comercial, clipes, etc,. Caso ainda haja dúvidas a respeito do assunto, basta ler as fichas técnicas de alguma produção reconhecida e notar que: nós, mulheres, só estamos presentes nos bastidores das campanhas quando o assunto é maquiagem, cabelo, beleza ou qualquer outro patamar da estética, o famoso imaginário social do “toque feminino”. Cadê as mulheres do audiovisual e fotografia nos bastidores das campanhas? Onde elas, ou melhor, NÓS estamos?

Desde que a pandemia iniciou, decidi que queria segmentar meu trabalho para outra área, um trabalho mais liberal, que estivesse mais relacionado com o meu perfil, com a minha identidade pessoal e social. Diante dessa perspectiva, comecei a produzir fotos de tênis, chinelos e demais produtos de diversas marcas. Todas essas fotografias foram tiradas em casa, visto que estamos limitados a sair devido a pandemia. A partir dessa iniciativa, comecei uma (re)construção do meu portfólio: uma nova identidade e comunicação. 

Refleti, pensei, planejei e, finalmente, iniciei projetos que buscam viabilizar tênis de marcas e, durante essa trajetória reconheci que quero seguir a área ligada ao esporte, na cena do skateboard, com marcas do mesmo estilo: Vans, Adidas, Nike, ÖUS, DC Shoes, Element, entre outras que são da cena do skate. Além de ensaios de moda com uma pegada street wear. 

Vale ressaltar que, nenhum desses trabalhos possuem o famoso toque de “feminilidade”, o que não significa que eu ou qualquer outra mulher não queira ou possa estar presente na execução de um projeto. Contratar uma mulher para realizar esse tipo de trabalho representa a valorização da equidade de gênero, questão a qual é fundamental a ser pensado no momento de contratação. A capacidade é a mesma, a criatividade também, isso não pode ser afetado por gênero: “coisa de menino ou coisa de menina”, porque a luta pela equidade de gênero é uma pauta importante na contemporaneidade, ainda mais quando se trata de contratação no mercado de trabalho. 

Campanhas voltadas inclusive para causas LGBTQIA+ são produzidas por homens. Independente da sexualidade deles, o ponto aqui é sobre ampliar o leque para quem não tem - ou tem pouquíssima -oportunidade no mercado de trabalho. Com tantas campanhas acontecendo, será que não seria possível abrir o leque e ampliar as chances de uma pessoa que vive aquela causa, fotografe ou filme?

Aqui é uma campanha voltada a mulheres e, pasmem, quem produziu não foi uma.

Vale dizer que eu não tenho nada contra os fotógrafos supracitados, não deixei o sobrenome para  não parecer que é "hate", mas o quis compartilhar o que eu vejo na maioria das fichas técnicas, até mesmo quando o objetivo da campanha é falar sobre diversidade, sem dar espaço para outres profissionais, entendem?!

No final, tem trabalho para todo mundo, mas a nossa sociedade é extremamente machista e preconceituosa, a galera da comunicação precisa ir além do 'Quem Indica' e refletir sobre o que realmente faz sentido para cada trabalho.

Infelizmente, sabemos que na prática muitas empresas e agências não exercem o que comunicam e a “falsa apresentação” gera quebra de expectativas, consequentemente, o desgaste é gigante. 

Por fim, gostaria de saber: onde estão as mulheres nos bastidores das gravações, campanhas, produções?

Texto e imagens por: Suellen Scanavini.

Revisão: Larissa Gregorut.

27 Set 2020

ONDE ESTÃO AS MINAS NOS BASTIDORES DAS CAMPANHAS?

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

agenciadepublicidade fotografas marketingvisual minasnotopo